Polícia Científica

21/10/2019

Sistema Gestor de Laudos ultrapassa a marca de 100.000 laudos no ano

O Sistema GDL (Gestor de Documentos e Laudos) da Polícia Científica do Paraná alcançou pela primeira vez a marca de 100.000 registros de Requisições de Exames Periciais (REP) no ano. A REP de número 100.000 do ano de 2019 foi cadastrada no dia 18/10/2019 na unidade do IML de Londrina.

“Trata-se de um marco importante para a Divisão de Tecnologia da Informação da Polícia Científica do Paraná, pois representa a consolidação de um trabalho árduo de modernização da instituição que vem sendo desenvolvido nos últimos 6 anos”, afirma Felipe Veronezi, Perito coordenador da TI.

O sistema GDL nasceu em 2013, a partir da parceria com o Estado de São Paulo, o qual cedeu os códigos-fonte originais para o Estado do Paraná. Com o apoio da Celepar, a DTinf iniciou a customização do sistema e adaptações para a realidade institucional do Paraná, começando sua implantação pelo Instituto de Criminalística. Ao longo dos anos o sistema foi sendo adaptado para a utilização da assinatura digital de laudos e posteriormente modificado para abarcar também os Laboratórios Forenses e Instituto Médico Legal.

“Com um dos melhores sistemas de gestão do Brasil, a Polícia Científica do Paraná tornou-se modelo para outros Estados, que já vieram conhecer e solicitar cópia do código-fonte do sistema”, afirma Fabiano da Cruz, Perito responsável pela área de sistemas da DTInf.

Considerando uma média de 3 páginas por laudo, foram evitadas as impressões de mais de 600 resmas de papel somente este ano, garantindo economia ao erário, além de agilidade na tramitação dos laudos para autoridades policiais e judiciárias.

“A meta da DTInf é terminar o ano de 2019 com 100% dos laudos da instituição sendo emitidos pelo GDL, com a finalização da implantação do sistema no necrotério do IML, que se encontra em andamento”, afirma Felipe Veronezi.

"Um sistema de excelência deve estar sempre em contínuo progresso. Ainda teremos muito trabalho visando evoluções futuras dentro do sistema GDL, como integrações com outros sistemas da Secretaria de Segurança Pública, a criação de novos modelos de Laudos, e a utilização de equipamentos como tablet’s, webcam’s, microfones, os quais trarão ainda mais agilidade no processo como um todo.”, complementa Fabiano da Cruz.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.